Membros

Foto do membro José Marangoni Camargo

José Marangoni Camargo | Logotipo Lattes

jmaraga@uol.com.br

Instituição: UNESP-Marília
Curso: Professor - Doutor em Ciência Econômica
Início do curso: -
Entrada no GEEIN: -

Perfil

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas(1981), mestrado em Economia pela Universidade de São Paulo(1988) e doutorado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas(2007). Atualmente é Professor Doutor Assistente da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e Membro de corpo editorial da Aurora (UNESP. Marília). Tem experiência na área de Economia. Atuando principalmente nos seguintes temas:Emprego, Agricultura Paulista, Modernização, Agroindústria.


Projetos de pesquisa

2016 - Atual
Evolução do Emprego e Renda no Brasil no Período Recente
Descrição: Este projeto de pesquisa tem como objetivo principal analisar a evolução do emprego e da renda no Brasil no período recente em um quadro de agravamento da crise econômica. A redução acentuada da atividade econômica tem resultado em um aumento significativo do desemprego e rebaixamento dos salários, com impactos negativos sobre a distribuição de renda Os custos dos ajustes de cunho conservador tem incidido sobretudo sobre os mais pobres, tendência que deve ser reforçada com as reformas neoliberais que devem alcançar a Previdência Pública, o aprofundamento da terceirização dos contratos de trabalho e a reforma trabalhista..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: José Marangoni Camargo - Coordenador.


2013 - Atual
EVOLUÇÃO DAS EXPORTAÇÕES AGROINDUSTRIAIS DO BRASIL: EVIDÊNCIAS DA REPRIMARIZAÇÃO DA ECONOMIA?
Descrição: Este projeto de pesquisa tem como objetivo principal analisar a evolução recente do comércio externo brasileiro e a tendência de ampliação da participação das commodities primárias e de produtos intensivos em recursos naturais no total das exportações brasileiras, especialmente os produtos agroindustriais. O forte crescimento da demanda por commodities, puxado especialmente pela crescente demanda chinesa, alterou os preços relativos a favor destas, com uma expressiva elevação dos preços desses produtos no comércio internacional. Isso tem resultado em uma ampliação da participação destes produtos na pauta de exportações brasileiras, para mais de 50% do total em 2012. Apenas os produtos das cadeias agroindustriais responderam por mais de 40% do total exportado pelo país neste ano. O crescimento expressivo das exportações brasileiras de produtos agroindustriais a partir de 2003, e uma expansão em um ritmo muito menor das importações, possibilitaram a geração de saldos comerciais crescentes da balança dos produtos da agroindústria. O superávit do setor passou de US$ 12 bilhões em 2000 para mais de US$ 40 bilhões a partir de 2006, chegando em 2012 a mais de US$ 58 bilhões, o que representou o triplo do saldo comercial total do Brasil registrado em 2012. A pauta agrícola brasileira é bastante diversificada, mas um número reduzido de grupos de mercadorias concentra a maior parte do valor das exportações do setor. Destacam-se as exportações das cadeias produtivas de cereais/leguminosas/oleaginosas (US$33,51 bilhões em 2012), especialmente soja e seus derivados, cana e sacarídeas (US$15,082 bilhões), derivada das exportações de açúcar e álcool, produtos florestais (US$9,45 bilhões), constituídos especialmente por madeira e celulose, bovídeos-bovinos (US$9,66 bilhões), principalmente carne bovina e couro, suínos e aves (US$9,35 bilhões), a maior parte representada pelas exportações de carne de frango. Estes cinco principais agregados de cadeias de produção responderam por mais de três quartos do total das exportações agroindustriais do Brasil em 2012, refletindo o peso desses produtos na pauta de exportação do setor. Os efeitos dessas mudanças no comércio internacional sobre a estrutura produtiva brasileira e os riscos de uma especialização regressiva, centrada crescentemente sobre produtos de menor valor agregado e conteúdo tecnológico têm sido diversamente interpretadas pelos analistas. Há aqueles que entendem que a dependência crescente da demanda externa por produtos primários e do ciclo de valorização internacional de preços acarreta, junto com a valorização cambial, uma desestruturação de parte dos setores industriais de média e alta intensidade tecnológica, em decorrência de uma perda de competitividade, além de um desequilíbrio crescente na balança comercial destes bens. Por outro lado, há outros que acham que os preços relativos mais favoráveis das commodities tendem a perdurar por um longo período de tempo, fortalecendo as contas externas do país e possibilitando um ciclo de crescimento econômico mais sustentável. Além da análise das transformações da pauta de exportações brasileiras no período recente e da discussão da controvérsia sobre a tendência de regressão produtiva da economia brasileira, esta pesquisa objetiva também realizar uma avaliação mais detalhada das exportações das cadeias agroindustriais do Brasil, em função do grau de intensidade tecnológica. Como objetivo adicional, pretende-se também analisar o crescimento e o desempenho das grandes corporações agroindustriais brasileiras, particularmente aquelas que atuam nas cadeias de carnes, sucroalcooleiro e de cereais..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: José Marangoni Camargo - Coordenador / júlio Fernandes do Prado Leutwiler. - Integrante.